Empreendedores do Oeste catarinense apostam em negócios de ecoturismo


Por conta da enorme diversidade de climas, relevos e paisagens, o Brasil tem um forte potencial para negócios de turismo. Em Santa Catarina – um estado rico em culturas e lugares paradisíacos – empreender nessa modalidade está cada vez mais em alta e pode trazer bons resultados, tanto financeiros, quanto em termos de preservação da natureza. O turismo sustentável é caracterizado por alguns pontos que vão desde a escolha da hospedagem, que pode ser em uma reserva florestal, até passeios, trilhas e caminhadas em parques preservados.

Em Anchieta, que fica no Extremo-Oeste de Santa Catarina e a 670 quilômetros de Florianópolis, encontramos um bom exemplo disso. O empresário Anderson Angelo Cavasin, de 29 anos decidiu investir no ramo e tornar em realidade um sonho de infância: trabalhar com turismo na cidade onde nasceu.

Cavasin conta que a ideia de criar um negócio na área foi uma consequência de um questionamento feito pela professora de Português, em 2006. Na época ele estava com 16 anos, e o tema sugerido para a redação era “Imagine o que você estará fazendo da vida em 2016”. — Meu texto falava sobre ter algo importante realizado até os 26 anos e sempre tive vontade de fazer diferente, não queria ter uma profissão “normal”. Lembro que escrevi que não queria ter horário para trabalhar, não queria ter um chefe e gostaria de trabalhar com a natureza. Eu pensava em transformar Anchieta de alguma maneira e meus planos desde o começo foram trabalhar aqui — lembra o dono da Ar Livre Ecoturismo, que é uma junção disso tudo.

Na época, o empresário começou a trabalhar com o avô na venda de produtos veterinários para agricultores do interior de cidade. E foi nessas viagens que Cavasin conheceu diversos lugares e histórias da região.

— Meu avô é uma pessoa com muito conhecimento, vive em Anchieta desde 1967 e sempre trabalhou com o povo. Foi o primeiro presidente do sindicato dos trabalhadores do município, trabalhou em uma cooperativa e também na prefeitura, além de ter sido vereador nos anos 70. Então ele conhece praticamente todo mundo e tem muitas histórias de como as coisas foram acontecendo ao longo do tempo. Isso foi uma aula de história para mim — conta.

Como acreditar numa ideia e empreender

Desde o começo, quando começou a pesquisar até 2015, Cavasin catalogou 120 locais com possibilidade de ser atrativo turístico no município. O empresário lembra que por a cidade, e a região, nunca ter sido considerada turística, começou o trabalho convidando pessoas que estavam de passagem para conhecer alguns lugares e não cobrava nada pelo serviço.

— Quando abri a empresa em 2015, tudo com recursos próprios, descobri que precisava oferecer um serviço. Algo que as pessoas pudessem comprar. Foi aí que montei a Rota dos Cânions, ela foi criada para ser o começo. Nesse passeio, passamos por alguns dos lugares e serve como atrativo para que depois a gente possa oferecer outros serviços — conta.

Dessa maneira foi possível atingir um público regional muito diverso, desde escolas com crianças até turmas da terceira idade. E hoje, com dados de 2017 e 2018, por ano cerca de 1200 pessoas realizam o passeio que custa 70 reais.

— Ao longo do tempo fui adquirindo mais conhecimento e hoje o passeio é customizado de acordo com o público. Alguns vêm pela aventura, gostam da natureza e buscam esse contato que é possível ter nas trilhas, cachoeiras e mirantes. Outros não têm tanto esse objetivo, mas buscam uma atividade diferente do que costumam fazer — destaca.

O passeio inicia na sede a Ar Livre Ecoturismo, que fica às margens da Rodovia SC-161, cerca de três quilômetros do Centro de Anchieta. A rota em direção aos cânions e cachoeiras é feita em kombis e também por trilhas a pé. Na volta do passeio, é possível apreciar o lindo pôr-do-sol da região. Cavasin ressalta que os lugares visitados mudam de acordo com a época no ano. No verão a rota tem seis horas de duração e no inverno tem apenas quatro horas.

Além disso, a cada dois meses são realizados passeios de balão, uma experiência especial que valoriza ainda mais o turismo na região.

Superando obstáculos e ampliando os negócios

O empresário sempre acreditou no potencial turístico da cidade, que tem cerca de seis mil habitantes. Com persistência, conseguiu transpor alguns obstáculos e desafios. Um deles foi ser o primeiro a investir em algo totalmente novo para a região e mostrar que é possível trabalhar com turismo em Anchieta. Outro desafio foi contar com o apoio da família na empresa.

— O começo não foi nada fácil. Eu tinha a ideia muito fixa na minha mente, mas quase ninguém acreditou que seria possível. Mas, hoje a minha família trabalha comigo e ajudou com aportes financeiros também — lembra Cavasin.

A propriedade da família conta com restaurante e um chalé que é alugado para visitantes e está com o projeto de construção de uma pousada no local.

— A ideia é construir cabanas em estilo rústico, utilizando materiais regionais. Ainda não tenho muitos detalhes, pois estamos planejando e executando tudo com calma — adianta.

Dica para quem quer empreender na área

Para Cavasin, empreender e investir em algo que nos faz bem é importante, pois se não for assim fica mais difícil obter bons resultados. É preciso gostar do que se faz e acreditar no negócio. — Empreender para mim foi transformar um sonho, algo que gosto de fazer em uma maneira de ganhar dinheiro e viver disso — compartilha.

E para quem quiser empreender com turismo uma dica do empresário é: gostar de pessoas e ser autêntico e verdadeiro no que você faz.

— As pessoas percebem quando isso acontece e assim fica mais fácil conquistá-las. Precisamos também de parcerias, não existe outra maneira de empreender com turismo se não for assim. E para finalizar, crie algo novo, saia do convencional e busque ser único — completa.

Fonte: G1

Post Author: admin